Compras de Natal na web: especialista dá dicas de proteção contra Phishing

0

Phishing, traduzido do inglês para o português “Pescaria”. Este é o nome dado a um tipo de fraude eletrônica que utiliza, principalmente, e-mail, SMS e réplicas de sites, para “pescar” informações pessoais, como dados de Cartão de Crédito e Senhas, na web.

Com a proximidade do Natal, é possível que aumente o número de ataques, já que o grande chamariz para atrair as vítimas são ofertas extremamente diferenciadas enviadas, geralmente, por e-mail. Ao clicar, o internauta é remetido a réplicas de sites de famosas lojas virtuais. Por isso, o consumidor que não se atentar, pode cair em uma tremenda roubada.

Veja algumas formas de phishing

Ofertas imperdíveis enviadas por e-mail
Desconfie de promoções espetaculares. Confira se o link de direcionamento para a oferta, a URL, é de fato a da loja em questão. Vale pesquisar em um site de buscas o endereço correto do e-commerce. Muitos ataques modificam pequenos detalhes para que o consumidor não perceba a diferença na URL e na aparência do site.

Phishing Beneficente
Organizações beneficentes também são alvos dos cibercriminosos. Antes de atender aquele pedido de doação recebido por e-mail, confira se o site é seguro.

Faturas Falsas
Fique atento com mensagens sobre a entrega ou reembolso de uma suposta compra. Desconfie de mensagens que solicitem o clique em links ou a inserção de dados. Quer conferir o seu pedido? Vá até o site onde você fez a compra, faça o login e confira. É mais seguro.

Redes sociais
Tudo bem que o Natal, às vezes, torna as pessoas mais receptivas a convites. Mas tenha cuidado. Muitos ataques de phishing são provenientes de convites ao ingresso em uma nova rede social. Durante o cadastro, os cibercriminosos instalam malwares em seu computador para roubar os seus dados.

Para te ajudar a não cair nesta roubada, conversamos com o Diretor de Tecnologia da Certisign, especialista em Segurança Digital, Mauricio Balassiano, que nos explicou que não é difícil se proteger deste tipo de golpe. Além das dicas acima, ao acessar um site, realize os seguintes passos:
1) Verifique se a página possui Selo de Segurança. Este é o único Selo que atesta que o site é confiável para transações e inserções de dados;

2) Se sim, clique sobre o Selo de Segurança, que geralmente fica fixado no rodapé da página do site e verifique se o Certificado Digital foi emitido para o mesmo endereço web da página que você está;

3) Verifique se existe um cadeado fechado na barra do navegador;

4) Observe se existe a letra “S” no endereço do site, ou seja, HTTPS.

“Estes são os sinais dos sites protegidos pelo Certificado Digital SSL, que criptografa as informações em tráfego e atesta a legitimidade da empresa que oferece o serviço. Sobre os Selos de Segurança é preciso clicar e verificar se por trás daquela imagem existe, de fato, um Certificado Digital válido emitido por uma Autoridade Certificadora reconhecida e confiável”, explica Balassiano.
Relacionadas:

Pesquisa revela que 70% das pessoas estão preocupadas com o Cibercrime

Previna-se e saiba mais sobre a lei dos Crimes Cibernéticos

Compartilhe

Deixe seu comentário