Da faculdade ao mundo real do trabalho.

0

O maior medo dos profissionais recém-formados é encarar a realidade de um mercado de trabalho agressivo e competitivo. E eles não estão errados, porque existem muitas grades curriculares que estão desatualizadas com relação ao atual momento. Na Contabilidade este senso também não é exceção. Mas até que ponto cabe à faculdade preparar os estudantes para serem trabalhadores eficientes e atender com exatidão e pontualidade às demandas das empresas, hospitais, órgãos públicos, associações, enfim, qualquer ambiente de trabalho que precise de profissionais qualificados? E se o aluno não for capaz de acatar a essa demanda? De quem é a culpa?

Para estar apto ao mercado, é fundamental que o estudante tenha uma melhor ideia do que quer fazer antes da cerimônia de formatura, já que o dever da faculdade é transferir para o aluno o melhor conhecimento científico possível, desenvolvendo nele a capacidade de compreender a área em que irá atuar.

Entretanto, as instituições não têm a obrigação de preparar o indivíduo para ser um profissional perfeito. As possibilidades de trabalho hoje disponíveis no mercado estão cada vez mais escassas e, por sua vez, os empregadores mais exigentes. Isso gera uma expectativa das empresas em relação aos recém-formados e vice-versa que nunca estão em sincronia. Por exemplo: muitos profissionais da Contabilidade acham que sairão da faculdade e serão o “braço direito” do empresário, mas logo vem a decepção quando são forçados a se debruçar sobre as obrigações acessórias e obrigatórias dos controles de tributação, das exigências trabalhistas, previdenciárias, comerciais e legais. Muito do que ele aprendeu na faculdade, não será posto em prática no mercado. Há jeito de fugir dessa cilada?

No parecer do CEO da Multipliko, consultoria especializada em gestão, Vitor Peixoto, a Contabilidade é, sem dúvida, a profissão do futuro. “Se antes ser contador era chato, monótono, hoje a realidade é outra porque as obrigações fiscais das empresas mudaram e fazer Contabilidade não é simplesmente contabilizar lucros e despesas. Fazer a Contabilidade de uma empresa corresponde a um projeto de consultoria, fornecer e implantar software, testar arquivos, corrigir inconsistências, ter pró-atividade para auxiliar seus clientes a pagar impostos de forma correta, preocupar-se com IR, NF-e, Sped, PIS, COFINS e uma sopa gigantesca de letrinhas”.

O especialista lembra que toda empresa nos dias de hoje precisa ou de uma excelente equipe contábil interna ou de um excelente escritório de Contabilidade para terceirizar e transmitir a ele os serviços necessários. “E entregar de forma correta, diga-se de passagem”. Independente de qualquer coisa, um fato é certo: quem quer se destacar no mercado deve correr atrás de experiências que possam ser vivenciadas na faculdade e fora dela – é importante fazer estágios profissionais; trabalhar em grupos de iniciação científica; buscar atividades extra-curriculares e valorizar bastante o tempo de estudo durante as aulas.

 Em um ano de ajuste fiscal as empresas de todos os setores estão com a mesma meta: reduzir custos mantendo ou aumentando a eficiência nos processos. Torne seu escritório referência no quesito paperless. Crie, assine, transmita e armazene documentos no Portal de Assinaturas. Experimente gratuitamente.

Compartilhe

Deixe seu comentário