A evolução – ou revolução – da contabilidade empresarial

0

Inúmeras mudanças nas rotinas das empresas estão acontecendo, sejam elas promovidas pela evolução tecnológica ou até mesmo pela adequação à legislação contábil brasileira frente a globalização, a qual deu origem à Lei 11.638/07, ou  conhecida nova lei contábil.

Uma revolução silenciosa já começou no âmbito das obrigações acessórias fiscais. Para meu espanto, muitos empresários aos quais estive abordando sobre o assunto não têm conhecimento real dessas recentes mudanças.

Muitos, ainda desconhecem o SPED (Sistema Público de Escrituração Digital). Desde janeiro de 2009, essa nova tecnologia exige que as empresas e escritórios contábeis se adaptem em termos de tecnologia da informação. A intenção, do Fisco, é receber todas as informações econômicas, financeiras e fiscais em arquivos digitais. Com isso, a Fazenda Federal terá a possibilidade de acompanhar em detalhe as rotinas operacionais das empresas e também efetuar o cruzamento das informações recebidas com as Secretarias da Fazenda Estaduais e Municipais, aumentado sem dúvida sua capacidade de fiscalização tributária.  

É a modernização da sistemática atual do cumprimento das obrigações acessórias, transmitidas pelos contribuintes às administrações tributárias e aos órgãos fiscalizadores, utilizando-se da certificação digital para fins de assinatura dos documentos eletrônicos, garantindo assim a validade jurídica dos mesmos apenas na sua forma digital.  

Para constar alguns exemplos das mudanças, dentre as novas regras contábeis está a obrigatoriedade de publicações da Demonstração dos Fluxos de Caixa – DFC e da Demonstração do Valor Adicionado – DVA; o Ativo Permanente passou a possuir o grupo chamado de “Intangível”, além dos já existentes. Foi extinta a “Reversa de Reavaliação”, que deu origem à conta de “Ajustes de Avaliação Patrimonial” e que possui características diferentes.

Ao mesmo tempo, a nova lei contábil – que se os moldes de padrões internacionais para a apresentação de dados fiscais – já sofreu grandes mudanças.  A intenção dessa legislação é dar harmonia à contabilidade brasileira, o que facilitará sem dúvida o investimento de capital estrangeiro no País.

Fonte: Angelo Mori Machado para o Ondasweb

Compartilhe

Deixe seu comentário