Filho de peixe, peixinho é: contadores que seguiram a profissão dos pais

0

A maioria dos pais sente orgulho de ver seus filhos se espelhando em sua carreira na hora de escolher uma profissão. Saber que seu sucesso profissional influenciou seus filhos é extremamente gratificante. Neste Dia dos Pais, o Clube do Contador da Certisign homenageia os profissionais da classe contábil contando algumas emocionantes histórias de filhos que seguiram os passos dos pais.

Infância no escritório do pai

A contabilista Ângela Zecchinelli, acadêmica e conselheira do Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo – CRCSP, conta que seu primeiro contato com a área contábil foi no escritório de seu pai, o diretor do Centro de Comércio do Estado de São Paulo, José Rojo Alonso, o que foi fundamental para a sua decisão de carreira.

“Quando eu era pequena, ele me levava ao escritório durante as férias. Na época, eu ficava brincando com papeis, mexendo com o grampeador, vendo a movimentação dos colaboradores e clientes. Depois, mais crescidinha, fui conhecendo o que era o trabalho de auditoria, como funcionava… gostei e acabei fazendo a minha opção profissional.”

Ângela relata que trabalhar junto com o pai tem suas vantagens e uma delas é ter um ponto de apoio para as discussões técnicas e a possibilidade de entender melhor as normas contábeis. Porém, ela alerta ser importante separar os assuntos familiares dos negócios para que a convivência dê certo.

Trocando os voos pela Contabilidade

Já o profissional Luiz Fernando Nóbrega, atual vice-presidente de Fiscalização, Ética e Disciplina do CFC, é filho de um dos maiores especialista da profissão, Mauro Nóbrega, que presidiu o Sindicato dos Contabilistas de Bauru. Luiz Fernando relata que apesar de frequentar o escritório do pai, desde pequeno, e até mesmo de acompanha-lo em algumas viagens de negócios, seu sonho de criança era ser piloto de aviação e entrar para a Aeronáutica.

“Quando precisei optar (por um curso universitário) deparei-me com uma situação que, por questões financeiras, não poderia escolher nenhuma faculdade fora da cidade de Bauru, onde a família residia. Então fiz uma avaliação dos cursos e das boas faculdades existentes na cidade e Ciências Contábeis preenchia todos os requisitos. Isso aliado à condição de que meu pai já possuía um escritório me ajudou a tomar a decisão.”

Apesar do seu sucesso profissional, Luiz Fernando diz que não pretende influenciar seus filhos a seguirem essa carreira. “Se tiver que acontecer que seja de maneira natural. A profissão Contábil é bastante ampla e tem inúmeras vertentes que são muito promissoras. O importante é que eles se sintam bem independente na área escolhida.”

O outro lado da moeda

O contador Osias Chasin, vice-presidente financeiro do SESCON-SP na gestão 2001-2003, pai da contabilista Patrícia Chasin e do publicitário Daniel Chasin, afirma que levava os filhos ao escritório, quando pequenos, e que apesar de não querer influencia-los a escolher uma profissão, a opção da filha pela Contabilidade o deixou muito satisfeito.

Chasin relata ainda que já prestou conselhos profissionais para a filha e que está bastante feliz por ver que seu sucesso profissional a influenciou a seguir carreira na área contábil. “É muito gratificante, ver que eu a inspirei. A Patrícia abraçou a carreira, e com a graça de Deus está indo muito bem”.

Feliz dia dos Pais!

Faça parte do nosso grupo de Contadores com descontos em Graduação e Pós para você e seus filhos. Cadastre-se agora no Clube do Contador Certisign, vantagens que irão te surpreender!

Compartilhe

Deixe seu comentário