O misterioso caso da vida dupla de um Contador

0

“Ele olhava para ambos os lados da rua querendo ter certeza de que não estava sendo seguido. Armado com uma HP no bolso e o aplicativo do Excel no celular, sua missão era entregar a tal obrigação acessória dentro do prazo, de forma discreta e sorrateira, antes que o temível fisco descobrisse e derrubasse o sistema, obrigando-o a pagar as dolorosas multas pelo pecado do atraso”.

A existência seria muito melhor se a vida dupla de um Contador pudesse ser assim, romantizada, não é verdade? Mas, fato é que pagar o aluguel / prestação da casa em dia, mais água, luz, internet, telefone, gás, comida, salão de beleza, diarista e ainda ter uma reserva de dinheiro guardado para emergências é quase uma missão impossível para quem tem um único emprego. Como a média salarial do brasileiro só tem retroagido ultimamente em meio à crise, muitas vezes é preciso conciliar o escritório com algum freela ou mesmo um segundo emprego.

Pergunta de um milhão de dólares

Como dividir igualmente os esforços entre os dois empreendimentos e ainda cuidar da vida pessoal, dar atenção aos amigos, familiares e amores? Garantimos que isso não envolve ficar pendurado por um cabo de aço sobre centenas de lasers para roubar um pendrive. Está mais para se equilibrar em uma corda bamba como as de circo…

Atuar em uma empresa ou abrir o próprio negócio?

Muitas vezes, as pessoas decidem viver uma vida profissional dupla como por exemplo atuar em uma empresa e abrir seu próprio negócio, seja pelo sonho de trabalhar para si mesmo, ou até para, em longo prazo, podendo ter uma rotina mais flexível e adequada às suas necessidades. Essas pessoas tendem a se dedicar mais a esse investimento do que à sua atual fonte de renda. O que pode ser perigoso, porque o seu chefe não quer saber dos seus problemas com outro empregador/cliente, afinal ele te paga para resolver os problemas da empresa dele – e não podemos dizer que ele está errado.

Banner-Clube-de-Vantagens-inverno

AVISO IMPORTANTE: cada um no seu quadrado é a principal regra do jogo. Nada de levar problemas de um local para resolver no outro, até porque isso dá demissão por justa causa, viu? Antes de tudo, é preciso ser ético.

Tenha alguém para te ajudar

Então, vamos à parte prática: tenha um Robin. Sim, alguém para lhe ajudar nessa empreitada, seja um sócio, um amigo ou um estagiário, porque dar conta de grandes demandas sozinho é humanamente impossível.

Ao mesmo tempo, tenha cuidado com as pessoas em quem você confia. Busque amigos próximos ou mesmo seu marido (esposa), caso a pessoa possa ajudar.

Dúvidas surgirão, isso é natural. Mas cabe a você ir atrás das respostas que precisa. Então participe de grupos de Contabilidade, sejam eles presenciais ou pela internet, como no WhatsApp ou Facebook. Lembre-se que uma pergunta nunca é só sua, ou seja, várias pessoas podem ter o mesmo questionamento, então nada de ter vergonha de perguntar.

Um passo de cada vez

Aceite o seu limite. Não tente abraçar o mundo, fazendo além do que consegue. Vale mais a qualidade do seu serviço do que a quantidade de clientes na sua carteira, até porque a melhor propaganda sempre será o boca a boca e ninguém recomendará você caso o seu serviço não seja bom.

No mais, respire fundo e vá em frente…

Se o seu cliente ainda não tem um Certificado Digital, indique esse produto no Clube do Contador Certisign. Além da comissão por indicação, o programa de relacionamento do Clube do Contador Certisign oferece prêmios todos os meses. Cadastre-se já.

Compartilhe

Deixe seu comentário