Pesquisa detecta importância da TI para o IRPF

0

Mesmo conhecendo os riscos de tentar burlar o Leão do Imposto de Renda Pessoa Física – IRPF, muitos profissionais da Contabilidade ainda se arriscam ignorando as ferramentas de Tecnologia da Informação – TI, que têm por objetivo assessorar no preenchimento e na análise dos dados da declaração de ajuste anual.

Recentemente, a Wolters Kluwer Prosoft consultou dois mil escritórios de Contabilidade em 21 estados brasileiros e constatou que 68,20% desconsideram o uso de soluções computacionais que minimizam as chances do contribuinte cair na malha fina. Comprovando a necessidade de levar em consideração as soluções de TI, 84,65% dessas empresas sempre precisam fazer algum tipo de retificação após a entrega das declarações ao fisco.

Vale lembrar que, somente no ano passado, 937 mil declarações ficaram retidas na malha fina. O principal motivo das retenções foi à inconsistência nos dados prestados, como erros, omissões e informações incompletas.

Para o presidente da Wolters Kluwer Prosoft no Brasil, Carlos Meni, ao mesmo tempo em que a Receita Federal do Brasil (RFB) se equipa cada vez mais com poderosas ferramentas para cruzar informações dos contribuintes, os Contadores automaticamente precisam buscar instrumentos capazes de minimizar os riscos na hora do preenchimento e analisar os dados obtidos de cada cliente.

“Atualmente, o fisco é capaz de encontrar inconsistências em informações que vão desde gastos com cartões de crédito a deduções de dependentes e despesas médicas. Por isso, soluções de TI são fundamentais para dar mais segurança aos profissionais e aos seus clientes”.

Um instrumento prático que ajuda pessoas físicas e jurídicas a se organizar e, por consequência, se precaver dos problemas com o fisco, é a Certificação Digital. Aliás, quem possui o CPF Digital nem precisa mais se preocupar em preencher a declaração, já que a RFB disponibiliza o documento previamente preenchido com as informações relativas a rendimentos, deduções, bens, direitos, dívidas e ônus reais. Basta só checar os dados e alterar, se necessário. Por isso, o Contador deve checar se o seu cliente tem a Certificação Digital, solicitar uma procuração eletrônica e declarar o IRPF utilizando a tecnologia.

Neste ano, a declaração do IRPF deve ser entregue até 30 de abril. Os atrasados terão que pagar multa estipulada em 1% ao mês-calendário até 20%. O valor mínimo é R$ 165,74.

Quem tem Certificado Digital pode utilizar a declaração pré-preenchida e minimizar as chances de cair na malha fina. Peça o seu com desconto especial de 26% no site www.certisign.com.br/ir até o dia 20 de abril. E, claro, indique aos seus clientes.

Compartilhe

Deixe seu comentário