Reconhecimento facial: saiba como funciona

0

De alguns anos para cá, os sistemas de reconhecimento biométrico já são facilmente encontrados em nosso dia a dia. Nos smartphones mais atuais, por exemplo, você pode usar a sua impressão digital para desbloquear o aparelho e até mesmo completar transações bancárias e lojas de aplicativos. Esse tipo de biometria também é encontrado em caixas eletrônicos, acesso a prédios, entre outros locais.

Outro sistema de reconhecimento biométrico que também vem ganhando escala é o de scanner de íris. Além de prédios e estabelecimentos onde o nível de segurança é mais exigente, os smartphones “topo de linha” mais atuais – como os Samsung Galaxy S7 e S8 – já oferecem o recurso, que deve aparecer em outros modelos nos próximos anos. E isso é um bom indicativo para que esta tecnologia ganhe escala.

E depois das nossas impressões digitais e olhos, agora é a vez de outra parte do nosso corpo servir como mecanismo de segurança: o nosso rosto. Isso porque sistemas de reconhecimento facial vêm ganhando espaço dia a dia como um eficiente método de desbloqueio e complemento de transações. Mas você sabe como ele funciona? Nas próximas linhas, a gente explica.

3 coisas sobre reconhecimento facial que você pode aprender agora

Uma câmera, um software e só!

Por mais complexo que possa parecer, o funcionamento de um sistema de reconhecimento fácil é simples, exigindo basicamente uma câmera e um software que mapeia o padrão do rosto de uma pessoa. Basicamente, esse programa tem algoritmos que analisam sua face em formas geométricas e logarítmicas.

A partir daí, a câmera – interligada ao software – entra em ação: ela analisa pontos em comum, como os olhos e a distância entre eles, boca, cumprimento do nariz, queixo, bochechas, formato da face e até mesmo o tamanho do crânio. A seguir, todos esses pontos são registrados em um banco de dados. Dessa forma, sempre que você posicionar seu rosto em frente a um sensor (ou câmera), o programa efetua os cálculos e usa seus algoritmos para montá-los como se fosse um quebra-cabeça, que permitem o reconhecimento facial.

Altíssimo índice de acerto

Considerando que cada ser humano tem características únicas – o que vale também para gêmeos – os sistemas de reconhecimento contam com uma grande vantagem: eles têm um índice de acerto que chega quase aos 100%.

Isso porque, ao codificar os pontos do rosto de uma pessoa, ele transforma esses dados em uma sequência digital, criando um número que funciona como se fosse uma espécie de RG do indivíduo no sistema. Logo, ela pode cortar o cabelo de uma forma diferente ou usar óculos e mesmo assim será reconhecida.

Onde o sistema de reconhecimento facial é usado?

Atualmente, o sistema de reconhecimento facial é utilizado em diversos tipos de estabelecimento. Edifícios comerciais e residenciais, empresas que demandam diversas camadas de segurança, academias, entre outros pontos já fazem uso da tecnologia.

Além disso, diversos bancos já testam a funcionalidade para efetuar transações financeiras, como pagar uma conta ou realizar transferência por meio de caixas eletrônicos ou até mesmo via Smartphones, usando sua câmera frontal. Aliás, por falar em celulares, o recém-lançado iPhone X já traz o sistema de reconhecimento facial para desbloquear os seus aparelhos. Mesmo sendo o modelo mais caro da Apple, a chegada deste recurso a um dispositivo de massa é um importante sinal de que a tecnologia tende a ganhar escala e se popularizar. Preparem seus rostos!

E que você trabalha já tem soluções biométricas para ter mais segurança?

Caso a resposta seja não, é hora de conhecer a Certibio. Trata-se da unidade de negócios da Certisign, a Autoridade Certificadora líder da América Latina e especialista em Identificação Digital.

Com foco exclusivo na validação da identidade por meio da tecnologia biométrica, a Certibio utiliza tecnologias avançadas de reconhecimento de voz, face, íris e impressão digital, de forma isolada ou combinada, para identificar inquestionavelmente e atender às empresas de todos os segmentos. Pioneira no Brasil, a Certibio traz o conceito BaaS (Biometry as a Service), no qual as empresas contratam o serviço por meio de consultas e não precisam se adaptarem tecnologicamente para ter acesso às informações. Saiba mais.


Você também pode gostar de:


Compartilhe

Deixe seu comentário